Escrevo este texto participando da blogagem coletiva que aconteceu em 19/11, Dia Mundial pela Prevenção da Violência Doméstica Contra Crianças. O texto ficou longo e trata-se da defesa do fim da palmada/varada justificada pela Bíblia.

Sou cristã e falar sobre esse assunto defendendo aquilo em que acredito, não é fácil – e logo você vai entender o motivo. Eu poderia escrever este post de muitas formas. Poderia sequer citar a questão do pensamento comum dentro das igrejas evangélicas. Mas, se assim o fizesse, estaria sendo omissa em uma questão tão importante. Como a postagem coletiva tem o objetivo de levar o entendimento de que qualquer castigo físico é, sim, violência, acredito que posso compartilhar minha experiência com outras mães cristãs e ajudá-las.

Nunca apanhei dos meus pais. Para falar a verdade, lembro de minha mãe, por uma ou duas vezes, bater em minha boca quando eu “respondia” a ela da maneira como ela não achava correto. Foi exceção sim, não acontecia com frequência. Mas lembro até hoje do calor da sua mão, da força dos seus dedos, da minha pele sensível , de como me senti agredida e de como isso não me educou sobre a questão. Digo isso porque, agora, eu sabia que deveria fechar a boca quando minha mãe me ameaçasse, mas eu não sabia ao certo o que estava fazendo de errado. (Mãe, já conversamos sobre isso, está perdoada e abençoada, em nome de Jesus. Amo você!)

Quando me converti, comecei a ouvir falar sobre a questão da correção com vara, citada repetidamente em Provérbios. Mas nunca questionei a ideia, até me tornar mãe…

Gabriela ainda não tinha nem 1 ano, talvez uns 10 meses. Não andava, mas já sabia engatinhar. Ficou curiosíssima ao descobrir as engraçadas tomadas. Nós ensinamos a ela que não poderia colocar o dedo ali ou, então, faria um grande “dodói”. Parecia que ela entendia de pronto mas, 3 minutos depois, tentava novamente tocá-las. Falamos 1, 2, 3… 7 vezes… e ela continuava a tentar. Tão pequena e já desobediente? Meu marido (do alto de suas melhores intenções e daquilo que havia aprendido a vida toda como sendo o correto), deu um tapa em sua mãozinha para que ela “entendesse” que ali não poderia mexer. Claro, ela chorou muito. Claro, eu também. Para ele, também doeu…

Foi neste dia que percebi que precisaria começar a pensar neste assunto: Como educar minha filha? Como ensiná-la o correto, ainda que ela teime? Como corrigi-la?
Lembro de, atormentada com o que havia acontecido, ter questionado, na presença do Rodrigo,  o pediatra humanizado que trata da Gabi, sobre o que fazer se ela continuasse a fazer o que não deveria. Sua resposta foi simples: continuar falar para ensinar o correto.

Acho que entrei em crise. Qual era o caminho certo a seguir? Corrigi-la com a vara, como eu ouvira que deveria ser se eu realmente amasse minha  filha? Ou ouvir meu coração e entendimento de que isto não estava certo?

Confesso em que houve um dia em que achei que deveria seguir o conselho da palmada cristã. Depois de repetir algumas vezes para minha filha que ela não deveria subir em determinado lugar, decidi que era hora de discipliná-la fisicamente. Sai das vistas de todos para que ela não se sentisse humilhada, fui até um cantinho e expliquei a ela porque ela iria levar uma palmada no bumbum. Ela não sabia do que eu estava falando, nunca havia passado por isso, não reagiu. Levantei minha mão e desci sobre ela. Foi leve, eu não conseguiria fazê-la sofrer . Ela não chorou, eu me debulhei em lágrimas torturando-me por ter pensado em tentar esta opção. Nunca mais faria aquilo, precisava entender mais sobre educação.

Orei, conversei, estudei e, com a paz do Espírito Santo, coloco aqui minhas conclusões e divido um pouco do que temos vivido aqui em casa:

Para mim, dizer para uma pessoa, que não tem metade do meu tamanho nem da minha força, que ela precisará sentir uma dor física (e emocional) terrível e que não há nada que ela possa fazer para se livrar disso, é inadmissível. Sendo eu, o porto seguro desse ser, a pessoa em quem ela mais confia nessa vida, de quem ela depende completamente e ama com todas as suas forças, fica ainda mais difícil de aceitar. Eu não poderia viver isso.

Ainda mais porque o que ouvimos é que devemos deixar nossos filhos no quarto, pensando um pouco, enquanto nos acalmamos para, só então, entrar e dar umas varadas na criança. Bom, se tudo se acalmou, se a criança teve a oportunidade de pensar no que fez, por que não entrar naquele quarto e conversar sinceramente com ela, explicando e educando com sabedoria? Nada justifica as palmadas.

Porque está na bíblia que deve-se corrigir com a vara, podem responder. Então, vamos falar da palavra de Deus.  Não quero, de forma alguma, criar aqui qualquer doutrina. Meu único objetivo é compartilhar o entendimento que tenho sobre uma educação sem violência. Porque bater com a mão, a vara ou qualquer outra coisa é, sim, violência:

Violência segundo o dicionário Michaelis –

1 Qualidade de violento. 2 Qualidade do que atua com força ou grande impulso; força, ímpeto, impetuosidade. 3 Ação violenta. 4 Opressão, tirania. 5 Intensidade. 6 Veemência. 7 Irascibilidade. 8 Qualquer força empregada contra a vontade, liberdade ou resistência de pessoa ou coisa. 9 Dir Constrangimento, físico ou moral, exercido sobre alguma pessoa para obrigá-la a submeter-se à vontade de outrem; coação. Antôn (acepção 7): brandura, doçura.

Provérbios, livro escrito pelo Rei Salomão, filho do Rei Davi, serve de referência para a teoria cristã do castigo físico. O texto fala inúmeras vezes sobre corrigirmos nossos filhos, muitas vezes cita a vara como meio para isso.

“Aquele que poupa a vara odeia seu filho, mas aquele que o ama tem o cuidado de discipliná-lo”. (Provérbios 13:24)

“É natural que as crianças façam tolices, mas a correção as ensinará a se comportarem.” (Provérbios 22:15 NTLH)

“Não deixe de corrigir a criança. Umas palmadas não a matarão. Para dizer a verdade, poderão até livrá-la da morte”. (Provérbios 23:13-14 NTLH)

“É bom corrigir e disciplinar a criança. Quando todas as suas vontades são feitas, ela acaba fazendo a sua mãe passar vergonha”. (Provérbios 29:15 NTLH)

“Discipline seu filho, e este lhe dará paz, trará grande prazer a sua alma.” (Provérbios 29:17)

Precisamos entender e contextualizar muitos textos bíblicos. Observe que interessante:
“· 1Co. 11:4-16 – Em Corinto, era proibido as mulheres cortarem o cabelo, e os homens de terem os cabelos crescidos. Mas, em Israel era normal os homens terem longos cabelos (Jz. 13: 1-5; 2Sm.14:26);

· 1Co.11: 5- Aqui em Corinto as mulheres podiam profetizar e orar nos cultos, e profetizar também era ensinar (1Co. 14:31), mas em Éfeso onde Timóteo estava, elas não podiam fazer nada disso (1Tm. 2:11-12). Acontecia assim porque estas duas cidades tinham costumes diferentes.” – extraído do blog http://silvinhamrr.wordpress.com

Voltemos a Salomão. Possivelmente, naquela época era muito comum bater nas crianças. Até, por isso, os textos também cuidam em dizer que se deve bater, mas não matar. Possivelmente, também, devia ser comum os maridos corrigirem suas mulheres dessa forma, já que eram vistas sem os mesmos direitos que os homens.

Naquela época, a violência era usada para resolver diversas questões, e matar os seus inimigos era considerado legítimo. Hoje somos presos se agirmos dessa forma. Também o é um homem que bate em sua esposa (Lei Maria da Penha), e até quem bate em animais.

Vejamos mais Provérbios:

“Os golpes e os ferimentos eliminam o mal; os açoites limpam as profundezas do ser”. (Provérbios 20:30 NVI)

Neste caso devo bater em quem não faz o bem e me açoitar para me purificar?

“O açoite é para o cavalo, o freio é para o jumento, e a vara é para as costas dos tolos.” Provérbios 26:3

“Nos lábios do entendido se acha a sabedoria, mas a vara é para as costas do falto de entendimento.” Provérbios 10:13

Estes versículos justificariam o marido bater em sua esposa se a considerasse tola em algum momento?

>> Vamos dar uma olhada agora nestes outros versículos:

“E qualquer que escandalizar um destes pequeninos que creem em mim, melhor lhe fora que lhe pusessem ao pescoço uma mó de atafona, e que fosse lançado no mar.” Marcos 9:4

“Que quereis? Irei ter convosco com vara ou com amor e espírito de mansidão?” 1 Coríntios 4:21

“A benção do Senhor é que enriquece; e ele não a faz seguir de dor alguma.” (Provérbios 10:22)

Jesus nunca mencionou qualquer tipo de correção física em crianças. Aliás, disse que não devemos escandalizá-las.

Em Provérbios também lemos que a benção de Deus não acrescenta dores. Se bater em uma criança para corrigi-la é uma benção, não deveria acrescentar dores a ninguém. Nem à criança que sofreu a violência, nem ao pai /mãe que sente a maior dor do mundo em seu coração e, muitas vezes, chora ao lado de seu filho por isso.

“Além do que, tivemos nossos pais segundo a carne, para nos corrigirem, e nós os reverenciamos; não nos sujeitaremos muito mais ao Pai dos espíritos, para vivermos? Porque aqueles, na verdade, por um pouco de tempo, nos corrigiam como bem lhes parecia; mas este, para nosso proveito, para sermos participantes da sua santidade. E, na verdade, toda a correção, ao presente, não parece ser de gozo, senão de tristeza, mas depois produz um fruto pacífico de justiça nos exercitados por ela.” (Hebreus 12:9-11)

Ok, a correção não produz gozo e sim tristeza. Quando preciso corrigir Gabriela também não fico feliz. É cansativo, precisa de muita paciência e, quando preciso puni-la tirando algo de que ela gosta, fico bastante triste. Qual pai se alegra ao negar algo de que seu filho gosta? Mas não me dói e fico em paz, porque sei que estou corrigindo-a para que ela aprenda a consequência de seus atos e tenha um futuro abençoado.

 Porque não utilizo mais o cantinho da disciplina

Se bater não seria uma caminho para nós , precisava encontrar um caminho para a educação. Logo me deparei com a técnica do “cantinho da disciplina”, tão popularizada pela Super Nanny. Após 3 avisos, Gabriela deveria  ficar pensando no que fez, sentadinha pelos minutos referentes a sua idade. (Na época eram 2 minutos).

Mas a cena se repetia da seguinte forma: Gabriela pedia para conversar comigo enquanto estava lá, queria ficar segurando minha mão, chorava compulsivamente sentindo-se ignorada e insegura por ficar 2 minutos sozinha. Depois deste tempo, eu a chamava para conversar e explicar o que tinha acontecido, na hora de me pedir desculpas, às vezes ela já nem lembrava  o motivo de ter ficado lá no cantinho, tamanho era seu pavor de ser ignorada por mim. Percebi que ela não estava aprendendo sobre o que não deveria fazer, estava apenas entendendo que algumas de suas atitudes poderiam levá-la a se sentir só e com medo. Fui, novamente estudar o assunto.

Através de textos, pesquisas e grupos de discussão, vi que o “cantinho da disciplina” realmente não era a melhor opção. A ideal forma de você educar uma criança é mostrando a ela que aquilo que ela faz de errado tem consequências diretamente ligadas àquela situação para, entender, que cada uma de nossas ações na vida produz um fruto e, se queremos colher bênçãos, é exatamente isso o que devemos plantar.

Vou dar alguns exemplos:
-Se uma criança não obedecer os insistentes avisos da mãe sobre guardar determinado brinquedo,  ficará sem ele por uma semana.
– Se não cuidar de seu cachorro, também permanecerá um tempo sem ele.
– Se ficar assistindo televisão ao invés de fazer suas tarefas, como seus pais já ensinaram algumas vezes, deverá perder o direito de tê-la por X dias.
–  Se continuar, mesmo após ser advertida, a desenhar nas paredes de casa,  ficará sem as canetinhas coloridas  por  um período.

É o que propõe Elizabeth Pantley no livro “Soluções para disciplina sem choro – Maneiras gentis para incentivar o bom comportamento” (Editora M. Books, 198 páginas). Obra que ainda está na minha listinha de leitura, mas da qual já tive a oportunidade de ler diversos trechos.

É educação e ponto. Porque devemos sim corrigir e ensinar nossos filhos. Deixá-los soltos para fazer o que quiserem seria bem mais fácil, certo? Mas não é o caminho para pais que se importam com o futuro de seus filhos. E educação dá trabalho, exige paciência, repetir conceitos, explicar detalhadamente, e eles aprendem. Porque nos amam e querem fazer o que é o correto.

Aqui em casa isso tem funcionado perfeitamente. Gabriela entende porque não deve fazer determinadas coisas na essência e conceito do problema, e ela tem apenas 3 anos.

Claro que, muitas vezes, teima, chora, faz birra, apronta. Ela é criança e se não fizesse tudo isso, não seria uma normal. Mas tem sido muito bem educada. O que às vezes nos falta é paciência para lidar com este tipo de situação. Porque, cansados do trabalho, querendo sossego, já não temos mais ânimo de tentar conversar explicar algumas vezes o correto e queremos resolver tudo de pronto, como se existisse um botãozinho mágico na criança para isso. Mas não existe, a palmada não é este botão. Ela pode desligar um comportamento ruim na hora, mas gerará outros problemas na alma da criança. Não mata, mas traz feridas emocionais sim. Não podemos desistir de nossos filhos, devemos insistir em educá-los sem violência.

Devemos dar o exemplo sempre, através de nossas atitudes. E mostrar que o castigo físico é aceitável não é um bom exemplo.

Muitos pais dizem que seus filhos não têm problemas em receber a varada e, depois, até gostam porque entendem que seus pais o fizeram por amor. Eu tenho outro nome para esse comportamento: resiliência. Elas precisam acreditar que aquilo realmente é bom para elas, porque são seus pais, as pessoas que ela mais ama nessa vida e das quais depende e confia, que estão submetendo-a isso. Se ela achar que seu pai faz isso para machucá-la, como ficará seu coração? Como poderá suportar viver? (E sei que muitos pais realmente o fazem acreditando que será o melhor caminho para a correção e, de forma alguma, para machucá-las).

Então ela entende que, de alguma forma, aquilo será positivo para sua vida. Repete o comportamento com suas bonecas, afinal, seus pais são exemplo. E, ao crescerem, possivelmente repetirão com seus filhos.

Por que a varada e a palmada ainda são tão constantes em lares cristãos?

Um dos motivos é o que acabei de citar. “Meu pai sempre bateu em mim e estou vivo. Vou ensinar meu filho desta forma.”

Além disso, até bem pouco tempo, bater em crianças era considerado um legítimo modo de educar. Até mesmo as escolas usavam a correção física (infelizmente algumas ainda a usam). Para os cristãos, então, com a base bíblica defendendo a criação com varadas, tudo fazia ainda mais sentido. E, se a bíblia não muda, por que deveríamos mudar?

Porque estamos vivendo em outro tempo. Hoje já se sabe dos terríveis efeitos da correção física sobre as crianças. Coisa que o sábio Rei Salomão ainda não conhecia. Não se trata de questionar a literalidade da bíblia, trata-se de entender de que forma as situações se passavam. Já fazemos isso com outras passagens.

Vivemos no tempo na graça e, se Jesus levou sobre Ele o castigo que nos traz a paz, porque nossas crianças deveriam continuar a apanhar? Assim como nossos atos (que são perdoados por Jesus) produzem frutos que teremos que colher, também o é com as crianças. Vamos ensiná-las mostrando que suas atitudes têm consequências sim, vamos repetir até quando for necessário, ensiná-las em amor, não desistir delas jamais, corrigi-las como exorta Salomão, só que da maneira correta, como temos aprendido em nossos tempos.

Jesus Cristo curou no sábado, e os judeus ficaram escandalizados porque, em sua cultura, curar era um trabalho e, portanto, não deveria ser realizado no sábado. Mas Jesus mostrou que não existia um dia errado para se fazer o bem. Mas também não disse que guardar o sábado era incorreto.
Corrigir nossos filhos como avisa Salomão é o correto, é o caminho mais sábio. Mas temos que rever a maneira pela qual fazemos isso.

Nós conhecemos nossos filhos e podemos compreendê-los. Entender porque estão repetindo determinado comportamento. Mas, para isso, precisamos nos envolver, investir tempo. Se uma criança está querendo repetidamente chamar a atenção de seus pais é porque existe algum problema, algo que precisa ser consertado. A “boa e velha palmada” não conserta nada, só destrói. Olhe nos olhos de seu filho, compreenda-o, ame-o e corrija-o quando necessário, em amor e paz.  Tenho certeza de que o Espírito Santos de Deus pode nos dar paciência, longanimidade, perseverança, sabedoria, paz, bondade, brandura, cada um dos seus frutos para educarmos nossos bens mais preciosos.

No blog Mães No Reino existe um texto sobre  a questão da palmada. Um dos poucos que achei na internet.

A violência jamais terá justificativas suficientes. Se eu chegasse a acreditar que a varada é uma alternativa, me sentiria uma derrotada, uma incompetente… Obrigá-los a sentir dor física sem poderem se defender não soa como uma atitude amorosa. Ao contrário da correção. Essa sim, precisa ser feita se amamos nossos filhos.

Também preciso lembrar sobre a violência verbal. Ameaças (vou sair e te deixar aqui sozinho, vou te mandar para a casa de fulano), palavras pejorativas (você é burro, imbecil, não aprende nunca), a criação de um medo na mente na criança (bicho papão, homem do saco, etc) são também uma forma terrível de violência.  Gritar e humilhar também entram nessa questão. Vamos vigiar, em sabedoria, para não cair neste caminho de engano.

“Há palavras que ferem como espada, mas a língua dos sábios traz a cura.” – Provérbios 12:18

“A violência, seja qual for a maneira como ela se manifesta, é sempre uma derrota.” – Jean-Paul Sartre

“E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” João 8:32

“Eu sou contra a violência porque parece fazer bem, mas o bem só é temporário; o mal que faz é que é permanente.” – Mahatma Gandhi

“Violência gera violência, os fracos julgam e condenam, porém os fortes perdoam e compreendem.” – Augusto Cury

“Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor; do mesmo modo que eu tenho guardado os mandamentos de meu Pai, e permaneço no seu amor. Estas coisas vos tenho dito, para que o meu gozo permaneça em vós, e o vosso gozo seja completo. O meu mandamento é este: Que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei.” João 15:10-12

Proponho, neste dia de combate à violência infantil doméstica, uma reflexão aos pais e mães cristãos. Não se sintam culpados pelas atitudes que tiveram até agora, não permitam que essa culpa os faça se defenderem e os impeçam de olhar essa questão mais a fundo.  Foi o que vocês aprenderam desde sempre… mas não é tarde para recomeçar. Vamos ensinar nossos filhos pelo exemplo de boas atitudes, assim como Jesus Cristo fez.

No amor do Senhor,

Alessandra

Anúncios